Aumenta a confusão e parte do PSDB quer Tasso Jereissati como candidato próprio

MDB tenta novamente atrair Tasso Jereissati para ser vice de Simone Tebet | O Antagonista

Tasso Jereissati é um nome de consenso dentro do PSDB

José Carlos Werneck

Uma ala do PSDB vai bater na tecla de candidatura própria na próxima reunião da executiva da próxima terça-feira . A estratégia é de deputados e senadores que não acreditam na manutenção da candidatura da senadora Simone Tebet do MDB, como nome da terceira via.

Tasso Jereissati, ex-governador do Ceará e senador há várias legislaturas, foi relator da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça do Senado e é um nome muito respeitado por seus pares.

PLANO C – Essa parcela do PSDB que possui nomes de peso elabora um “plano c” para manutenção de uma candidatura própria, mas excluindo o nome de João Doria. E integrantes da executiva nacional sugeriram o nome do senador Tasso Jereissati como cabeça de chapa nas eleições presidenciais.

A ideia é esperar Doria desistir da pré-candidatura em nome de Tebet. Posteriormente, se as pesquisas de intenções de voto não mostrarem um crescimento expressivo da senadora do MDB, os tucanos irão pressionar pela candidatura de Tasso como cabeça de chapa.

Um dos parlamentares que apoiam a ideia afirmou que é “melhor fazer uma campanha fraca, sendo do próprio partido, do que ser vice de uma candidata fraca de outra legenda”; O senador José Aníbal disse que “é um desastre que o PSDB não tenha candidato”

EDUARDO LEITE – Os mesmos integrantes do partido eram favoráveis à candidatura de Eduardo Leite, ex-governador do Rio Grande do Sul, mas entendem que o nome do gaúcho não pacifica o PSDB e apostam em um remédio mais tradicional.

Enquanto boa parte do partido desacredita a candidatura de Doria, o ex-governador de São Paulo segue em pré-campanha. Nesta sexta-feira, ele esteve em Goiânia e afirmou estar “dialogando” ao ser questionado por jornalistas se aceitaria ser vice da senadora Simone Tebet na disputa presidencial.

Como se vê, em Política as coisas mudam rapidamente e quem não estiver ligado 24 horas do dia fica sem entender nada.

8 thoughts on “Aumenta a confusão e parte do PSDB quer Tasso Jereissati como candidato próprio

  1. São muitos os pretendentes. Todos sem grandes feitos que os avalisem.
    Realmente a disputa para valer será entre Lula e Bolsonaro.
    Lula terminou seu segundo mandato com alto índice de aprovação. Conseguiu a eleição de Dilma no lugar de José Dirceu. Após deixar “a caneta” recebeu diversos títulos honoríficos.
    Bolsonaro, foi eleito com um infundado ódio ao PT. Este mesmo ódio contaminou muitos correligionários. Foi “saído” do partido que o elegeu. Brigou sem motivo com muitos ex colaboradores. Só não foi cassado porque o PT entendeu que governar mal não é crime.
    Quem vencerá em outubro?

  2. Belo comentário. Cumprimentos ao grande Werreck.

    Viver política, sem interesses pessoais, é muito difícil. Foi para se beneficiar que, a imensa maioria dos partidos foram criados e tem dono.
    E isto, está se aprofundando, sem qualquer controle ou análise por parte do eleitor.

    Milhões de brasileiros estão (diferente de são) filiados aos partidos. Apenas alguns milhares participam e, ativamente, uma pequena parcela.

    Soluções? Claro que existem, mas precisam ser adotadas e alimentadas por pessoas e por princípios! Ah, e todo sistema precisa ser recuperado.

    Sinceramente, olhando de perto e enxergando lá longe, quem conhece e tem valores, não participa de nenhum dos partidos atuais. Todos são resultados de uma omissão enorme da sociedade e de interesses de pequenos grupos.

    Quando a participação é obrigatória, aberta e sem conhecimento, os resultados sempre serão pequenos e sem qualidade!

    E, na democracia, precisa-se de nucelos de conhecimento e qualidades.

    Fallavena

  3. PSDB, PT, MDB, DEM, PSD, PTB PL entre outros são adeptos do sistema corrupto atual. Qualquer candidato desses partidos que forem eleitos é para manter o status quo.
    O único político candidato que é contra o esse sistema elitista é Ciro Gomes.
    Com os maus antecedentes de Lula e Bolsonaro, não serviriam nem para serem porteiros de prédios. A maioria do povo não merece.

  4. São tantos os partidos que o eleitor fica completamente confuso. Nem sei quantos são. Aliás, ninguém vota em partido. Vota em gente. A única coisa boa que a ditadura fez foi reduzir o número de partidos para três: um de direita, um de esquerda e um de centro. Basta isso. Quanto à terceira via, continua uma bagunça. Vão acabar perdendo a chance.

  5. Prezado ANTONIO
    Na ditadura, eram apenas dois partidos: MDB e ARENA. Não existia partido de centro.
    Hoje, aparentemente (???) são 32 partidos e mais de 70 em formação/esperando registro.
    É mais do que escolas de samba

    Importante
    Formar partido é livre. O que não deveria ser facultado é o recebimento de dinheiro.
    Fallavena

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.