Bolsonaro representa uma nova forma de fazer política, diz cientista político

O cientista politico Jairo Nicolau Foto: Alexandre Cassiano / Agência O Globo / 3-11-2016

Jairo Nicolau destaca a importância das redes sociais

Elisa Martins
O Globo

A vitória de Jair Bolsonaro quebra um padrão da política tradicional, diz o cientista político Jairo Nicolau . Para o professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, a campanha deste ano marcou uma inflexão na política brasileira, ao deslocar uma elite política tradicional, e reacendeu uma nova força política em uma eleição da era digital. Com Bolsonaro, surge uma nova forma de comunicação política e de fazer política, diz o analista, que compara ainda a polarização observada nesta eleição com a de 1989, que levou muita gente às ruas.

O que as urnas expressam com esse resultado?
Existe uma quebra de um certo padrão da política tradicional, conservadora. Ainda é cedo para dizer o que ascensão dessa nova elite política significará. Mas é fato que a campanha marcou uma inflexão de vários tipos na política brasileira. Ela deslocou uma elite política tradicional e reacendeu uma nova força política, em uma eleição da era digital para valer, das redes sociais, e de uma nova forma de comunicação política e de fazer política. Haddad também fez uma campanha diferente, em que só conseguiu chegar mais perto nesse final graças ao impulsionamento nas ruas e principalmente à mobilização nas redes. Uma parte do crescimento que o fez saltar se deveu a essa onda. Não foi um voto petista que ele conquistou desde o início. Mais do que comícios, carreatas e corpo a corpo, que ele não abandonou e fez principalmente no Nordeste, ele teve uma campanha bastante apoiada nas redes nessa reta final. Foi o que diminuiu a diferença com Bolsonaro, que o levou a ter um crescimento maior entre os eleitores no segundo turno do que o próprio Bolsonaro. A derrota esconde uma sensação de que o esforço não deu em nada. Mas se não tivesse feito essa mobilização nas ruas e nas redes teria perdido por muito mais.

Como imagina um governo que se comunica dessa forma?
É o padrão do maior tuiteiro do mundo, que é o presidente americano, Donald Trump, que se comunica com seus milhões de seguidores dessa forma. Não sei se Bolsonaro faria isso, porque existe a liturgia do cargo, mas provavelmente vai manter uma forma de comunicação menos convencional, porque foi assim que ele cresceu. Foi assim que ele deixou de ser um deputado de fundo de plenário, que representava interesses militares, para incorporar uma agenda mais conservadora de costumes e posição mais ácida em relação ao PT. Teve um uso muito eficiente das redes sociais. Já tínhamos sinais disso, da força do WhatsApp, nas últimas eleições municipais, na greve dos caminhoneiros, como uma forma nova de comunicação e de mobilização. E todo mundo sabia que Bolsonaro, desde 2015, fazia uso desse instrumento como prioritário para se comunicar com os eleitores. Vimos isso também nas manifestações de 2013. O WhatsApp massificou a revolução digital. E não foi diferente na política.

O futuro – e a escolha –  do próximo e dos próximos presidentes vai depender dessa nova forma de comunicação?
Sim, e ainda vão surgir outras. É difícil controlar e prever as surpresas das revoluções tecnológicas. Ninguém diria que hoje existiria essa forma de comunicação que temos… E ninguém poderia dimensionar o efeito disso na política. E a política agora vai ter que lidar com isso. E passar por uma revolução na relação entre cidadão e governo, que vai afetar o voto. Essa campanha no Brasil foi um laboratório mundial do uso do WhatsApp. E em eleições municipais isso vai crescer ainda mais, conforme o alcance da internet cresça nas cidades mais pobres.

O que mais foi marca nessas eleições?
Essa quebra da vida partidária brasileira que conhecíamos é o mais forte. Durante duas décadas, o sistema partidário tinha certa estabilidade. Tinha a ver com PT e PSDB disputarem as últimas eleições nos últimos segundos turnos. Foram dez turnos em que os brasileiros foram às urnas escolher PT ou PSDB. E sempre tendo o PMDB como um partido central da vida política, com bancadas grandes e poderosas. Nessa eleição vimos o deslocamento do PSDB, o declínio da bancada do PMDB e de outros partidos tradicionais que não foram tão bem. E isso aconteceu em um cenário de muitas surpresas, derrotas de políticos tradicionais, de grandes lideranças conhecidas dos brasileiros no âmbito estadual, que tiveram papel importante no processo de impeachment da Dilma, lideranças tradicionais do Congresso também. Mas destacaria também o desempenho surpreendente do PSL. Um partido que já existia desde 1998, mas que em quatro eleições elegeu apenas um deputado. Desapareceria nessa reforma da cláusula de barreira. Mas ressurgiu com um resultado espetacular. Há a destruição de um sistema político, que não sabemos como vai se reconfigurar, nem os temas e os partidos que dominarão nesse novo time. Os velhos atores e a velha forma de fazer política ficaram muito abalados nessa eleição.

Como surgiu essa onda conservadora que se mostrou nas urnas?
A Câmara é um bom termômetro das forças políticas nacionais. Mais do que a eleição presidencial nesse sentido. Se olharmos para a Câmara, temos um resultado que mostra claramente uma composição mais conservadora desde que o Brasil voltou à democracia em 1986. Nunca tivemos uma Câmara com perfil tão conservador. Isso indica um crescimento dos partidos de centro-direita, com destaque ao PSL, e declínio dos partidos de Centro. PSDB e PT têm juntos a menor bancada desde 1990, em um desempenho sofrível de duas forças que foram varridas e trocadas por um conjunto de partidos de centro-direita como PSL, DEM, PSB, PP. Há uma inflexão na opinião pública brasileira já há alguns anos. Mas há menos de uma década para cá há uma mudança na opinião pública brasileira. Os estudos têm apontado e reforçado essa percepção. É uma nova direita no país, em que não só forças políticas se assumem como de direita como intelectuais, sites, blogs, movimentos… Um movimento hiper conservador em comportamento, associado a igrejas evangélicas e um catolicismo conservador muito ativo que foi para a política. Há também presença de figuras do meio militar, quando observamos nas assembleias delegados, PMs, cabos, sargentos. É uma presença maior de políticos com origem militar. E não podemos nos esquecer que em 2015, 2016, vimos movimentos de rua de massa, de direita. A última vez que isso tinha acontecido foram nas passeatas depois do golpe de 1964. E esses movimentos foram muito reveladores da presença de um segmento da sociedade brasileira conservadora no campo dos costumes, da visão mais ampla da política, em um antipetismo visceral.

É possível fazer uma análise desapaixonada em uma eleição tão polarizada e de posicionamentos extremos?
Como estudioso do comportamento político brasileiro e dos partidos, tento fundamentar minhas análises nos dados, na história, em um certo afastamento. Mas essa eleição talvez tenha sido uma das mais difíceis para mim. A eleição de 1989 foi muito parecida, mas ela tinha um componente que faltou nessa, no segundo turno, que foi a rua. Havia muitos comícios, tanto do Collor, como do Lula, com milhares de pessoas mobilizadas. Às vezes eram dois, três comícios de candidatos por dia. Foi uma eleição muito polarizada. Mas não tínhamos as redes sociais como um lugar de diálogo entre as pessoas. Há uma diferença fundamental comparada com 1989, quando a informação circulava em outra velocidade. A polarização não transbordava com essa força que as redes sociais mostraram nessa campanha. Também não havia uma discussão de temas que apareceram nessa campanha atual, como elogios à ditadura, por exemplo. Pelo contrário, nos primeiros anos pós-governo militar esse era um assunto do qual todos os políticos queriam se afastar. Bolsonaro trouxe uma combinação de temas hiperconservadores no campo comportamental, alinhado a essa tendência de um conservadorismo difuso, muito apoiado pelas igrejas, e com uma agenda dura de segurança. Agora eleito, será preciso ver como vai conjugar o apoio na Câmara e o das urnas para governar de fato.

35 thoughts on “Bolsonaro representa uma nova forma de fazer política, diz cientista político

  1. Senhores,

    -Ora, essa “onda” não apareceu do nada, como se fosse um fantasma. Sempre esteve latente, abafada no peito brasileiros decentes pelos candidatos cheiradores, permissivos e ladrões, que são verdadeiros donos de todas as emissoras de rádio e de televisão do país, que monopolizam (ou melhor, MONOPOLIZAVAM) todas as informações que chegavam ao eleitor e que manipulavam a sociedade com a mentira.

    -Quem não se lembra da “enxurrada” de concessões e de permissões concedidas para rádios e TVs, feita pelo Governo Sarney, com 634 de emissoras presenteada para os amigos corruptos?

    -Se existisse INTERNET e, principalmente, o WHATSAPP no tempo do Enéas Carneiro, ele teria se tornado presidente e não teríamos chegado ao Século XXI discutindo coisas do Século XIX, como, por exemplo, se bandido precisa ser retirado das ruas e se magistrado bandido pode ser demitido.

    Abraços.

  2. Muito bom este texto. Vale refletir com profundidade.
    “Ganhamos, acabamos com o PT!”
    Tire esse pensamento da cabeça agora! O PT está caído, sim, mas está muito longe de deixar de ser uma ameaça.
    Já se perguntou porque o pior candidato de um partido envolvido até o pescoço em corrupção, cujos principais líderes estão todos na cadeia, recebeu 44 milhões de votos?
    A resposta é simples. Conquistamos a presidência, mas o PT e suas variáveis ainda dominam tudo que leva até lá. A esquerda ainda detém enorme influência e poder. Jamais subestimem um grupo que ganhou 4 eleições, passou 13 anos com acesso a reservas quase infinitas de dinheiro e colocou seu pessoal em absolutamente TODAS as engrenagens da máquina estatal.
    A esquerda ainda domina: meio acadêmico, meio artístico, meio cultural, movimentos sociais a grande parte do meio político. A influência deles é tão grande, que fizeram de Bolsonaro praticamente o culpado da facada que levou. Fizeram de uma matéria esdrúxula de jornal, sem provas, uma acusação que foi parar no TSE e ficou uma semana em destaque. Fizeram seus apoiadores se passarem por bárbaros descontrolados noticiando ataques claramente forjados.
    Acham mesmo que eles perderam esse poder só por que não chegaram à Presidência? Se não tivessem esse poder, Bolsonaro teria ganho com 80% dos votos. O povo sabia que não queria o PT, mas a destruição da imagem de Bolsonaro foi colocada em prática por todo o sistema. Perdeu milhões de votos por conta de calúnias divulgadas pela esquerda com tamanha intensidade que faria Goebbels se sentir um estagiário na xerox do DCE.
    Bolsonaro pegou o comando, mas a máquina está toda podre e comprometida. Não irá deixá-lo governar e fazer as reformas que o País precisa. Irão sabotá-lo desde o primeiro dia.
    Todas as mudanças na área econômica serão anunciadas pelo sistema como uma tentativa de prejudicar os pobres e retirar direitos do trabalhador. Todas as mudanças na área social serão anunciadas como uma tentativa de assassinar LGBTs/Mulheres/Negros/Pobres/Nordestinos. É assim que a esquerda joga.
    Bolsonaro receberá o Brasil no pior estado que um Presidente já recebeu, será criticado pelos seus acertos e massacrado pelos seus erros. O primeiro ano será bem difícil. É preciso tomar o poder de influência da esquerda e devolvê-lo ao povo. O povo tem que se informar por fatos e não por narrativas cuidadosamente construídas por intelectuais em universidades.
    Voltarei depois ao assunto sobre onde estão instalados os inimigos e como desentocá-los.
    Não há como acabar com a divisão no País, se não acabarmos com quem está nos dividindo.
    Comemoremos a vitória, foi gigantesca. Mas não percamos a noção da realidade. Estamos só no começo.
    Autor desconhecido!
    É não tente dar autoria à este texto, pois já seria uma arma contra o nosso presidente!”

    • O PT e os corruptos dominam o Supremo… e essa Corte poderá dar muito mais trabalho ao presidente do que os petistas do Congresso.

      -Qualquer coisa que vise colocar bandido na cadeia será considerada “inconstitucional”…

    • O QUE É ISSO AGORA BELEM ? A QUE VEM ISSO ? “Voltarei depois ao assunto sobre onde estão instalados os inimigos e como desentocá-los.
      Não há como acabar com a divisão no País, se não acabarmos com quem está nos dividindo.
      Comemoremos a vitória, foi gigantesca. Mas não percamos a noção da realidade. Estamos só no começo.
      Autor desconhecido!
      É não tente dar autoria à este texto, pois já seria uma arma contra o nosso presidente!. ” O que é isso, agora Belem ? Que apelação é essa ? Vc está sugerindo o quê ? Morte ao comunista Carlos Newton, p.ex., de tantos e bons serviços prestados ao jornalismo, ao país e ao povo brasileiro ? Que coisa feia, que coisa mais covarde, tornar público um besteirol desse, que tem nem autoria, que coisa mais irresponsável, mais sórdida, demente. E o que o autor anônimo sugere ? Dizimar a tal esquerda, que nem é esquerda coisa nenhuma, até porque no Brasil só existe direita, e todos loucos por tetas no erário ? Perseguir e matar todo mundo que se pareça esquerda ? Fala sério. E depois quem vai nos salvar das garras ladras, bandidas, violentas e assassinas da tal direita, como registrada no lixão da história do Brasil, com culpa quilométrica no cartório ? O Brasil tem mais é que se livrar de todos os chupa-cabra$ , direita, esquerda e centro, não matando fisicamente todos eles, porque isso é coisa de selvagens, mas colocando-os todos no banco comum da Democracia Direta com Meritocracia Eleitoral, como propõe a Revolução Pacífica do Leão. É lá que cada um vai mostrar o seu valor, direita, esquerda e centro, na sabedoria, na moral no mérito e no jogo limpo, imune à força do dinheiro e das trapaça$.

      • Caro leitor e comentarista Luiz Felipe Loriaga Leão,
        Antes de qualquer consideração meça as suas palavras e me respeite, pois nunca lhe ofendi aqui neste blog e uma coisa que jamais admito é a COVARDIA.
        Não coloque palavras na minha boca.
        Certamente que o leitor leu o escrito e não o compreendeu, na medida em que aonde está escrito ou sugerido no texto “morte ao comunista Carlos Newton”? Ou “Dizimar a tal esquerda”? Ou ainda “Perseguir e matar todo mundo que se pareça esquerda”?
        Estreme de dúvida quem torna público um besteirol aqui no blog rotineiramente é o leitor com a sua tal “Revolução Pacífica do Leão”.

        • Não fiz nenhuma ofensa a vc, Belem, mas sim ao texto que vc tornou público, que me parece um texto demente, perigosíssima que incita infelizmente a fazerem o que fizeram no passado contra pobres coitados julgados como comunistas, gente de esquerda, como é o nosso grande Carlos Newton, um comunista assumido. A diferença entre nós é que o que eu escrevo, todo mundo aqui sabe que foi eu que escrevi, e não público nada que não seja da minha autoria, e quando faço citações, menciono a fonte e o autor. Esse texto que vc colocou aí, perigosíssimo, é um texto demente, não faça mais isso não, colega, não fica bem isso para uma pessoa da sua idade e do seu quilate. O país já está uma lástima total, e esse texto que vc publicou dizendo que não é esse, poder dar merda total, pior que 64, até porque como se diz há muito tempo, o perigo na está na presidência mas no guarda da esquina, que de repente pode achar que tirar vidas de seres humanos resolve alguma coisa neste país. E quem avisa amigo é.

          • Caro leitor e comentarista Luiz Felipe,
            Recebi esse texto de uma amiga via WhatsApp.
            Considerando o acerto do que nele se contém, resolvi franqueá-lo ao conhecimento dos leitores e comentaristas da gloriosa TI.
            Volto a frisar que o leitor leu o texto e não o compreendeu.
            Essa é a sua opinião sobre o texto: demente, que eu respeito, mas, ouso divergir.
            Desafio o leitor a apontar aonde está escrito qualquer coisa que o tenha levado a escrever que “O país já está uma lástima total, e esse texto que vc publicou dizendo que não é esse, poder dar merda total, pior que 64”.
            Tendo em vista o seu distorcido entendimento do que se contém no texto que publiquei, peço encarecidamente aos leitores que aqui já se manifestaram neste POST “Bolsonaro representa uma nova forma de fazer política, diz cientista político”, revelarem se os seus entendimentos são semelhantes ao do leitor e comentarista Luiz Felipe Loriaga Leão.
            Fico muito grato em saber o entendimento que os leitores da TI têm sobre o aludido texto que publiquei.

    • Muito verdadeiro o que diz o texto. A vitória do Bolsonaro é como a invasão da Normandia, o dia D. Agora é que começa a guerra de retomada dos territórios. Por isso acho que o seu governo tem que partir para o ataque, o enfrentamento para denunciar as mentiras da esquerda. Como presidente ele tem voz e o que fala terá eco. A esquerda tem como objetivo a TOMADA do poder.

      • Prezado Aranha,

        Percebe-se nitidamente que a má intenção está presente nos comentários que aludem fatos históricos.

        Ou por ignorância ou má fé, a verdade é que o uso de rótulos contra aqueles que são favoráveis a Bolsonaro está sendo difundida livremente, e temos de exigir que Newton tome as devidas providências!

        A invasão da Normandia, o célebre Dia D, 06 de junho de 1.944, foi a data mais importante na Segunda Guerra Mundial, para justamente combater o … nazismo!

        Querer dizer que, mencionar a Normandia como alusão ao modo como Boolsonaro deverá atuar quando assumir é um comentário “nazista”, por favor, a TI baixa a sua qualidade a níveis nunca antes atingidos!

        Abraço, Aranha, e concordo plenamente contigo!
        Os detratores do NOVO PRESIDENTE devem ser responsabilizados e punidos!!!

        • Bendl, agradeço o comentário esclarecendo os disparates, mas a triste figura omelética é um arremedo de comentarista e seus apartes passam despercebidos como vira-latas na rua. Ele se parece com aquelas crianças mal-educadas que ficam falando asneiras no meio da conversa dos adultos. Ninguém dá bola, apenas torcem para que os pais levem embora aquele estorvo de volta para seus lares. Continuemos absorvendo os bons comentários e as informações que não achamos na mídia partidária. Abs

  3. Olha o General Mourão filho ai gente, e a horda de aduladores em busca de teta no erário, que logo transformam um primário num estadista. Fala sério. Em verdade eu vos digo: BOLSOSSAURO TB NÃO É A MAMÃE, DIGO, NÃO É A SOLUÇÃO, PELO CONTRÁRIO, É MAIS UM PROBLEMÃO. Agora temos que ser todos mais do que nunca liberdade plena de expressão, na veia, sem a qual não há verdade, não há libertação, não há esperança e não há Solução. BOLSONARO, NA VERDADE, É O $ISTEMA POLÍTICO APODRECIDO, com prazo de validade vencido há muito tempo, agora em estado de desespero total, pânico , escondido atrás das armas (como demonstrado na pré-campanha e na própria campanha, com generais, coronéis, capitães, etc. e tal, fazendo um monte de ameaças, veladas e ostensivas, e até ofensas graves contra ministros e ministras do próprio TSE e STF, e tb à mídia e à liberdade de expressão, com igrejas, setores do judiciário, quartéis, batalhões e afins, velada e ostensivamente, transformados em comitês eleitorais e cabos eleitorais, em total afronta à própria Constituição ), com as suas verdades tb não correspondendo aos fatos, com as suas piscinas tb cheias de ratos, à moda time de fazenda, jogando sujo, descendo o sarrafo e o juiz metendo a mão a favor, a cada novo dia mais acuados que estão pela DEMOCRACIA DIRETA com Meritocracia Eleitoral, o novo de verdade, que foi às ruas do Brasil em Junho de 2013, infelizmente impedido de ser apresentado ao eleitorado e às urnas via PSOL, em 2010, 2014 e 2018, PSOL que tb se colocou a serviço do velho continuísmo da mesmice do $istema político apodrecido e peçonhento que já morreu e que sobrevive da peçonha, consciente ou inconscientemente, confirmando a máxima popular segundo a qual é tudo farinha do mesmo saco ( ou serão sacos da mesma farinha ?), com variações à direita, à esquerda e ao centro, infelizmente. Tudo mais dos me$mo$ que nos enrolam há 128 anos. https://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2018/10/30/bolsonaro-e-a-lapide-do-sistema-que-apodreceu/?fbclid=IwAR2AIqLKCtncs_MkUQjMFo5zRQmri5IGMhPmzkXrfW4dFfgfaIcrkBw8

      • Bolsonaro travestido de “Paulo 2”, ou fiel escudeiro do mesmo, é só demência, cobiça, dinheiro, dinheiro, dinheiro. E não ousem atirar no saco do Bolsonaro, senão vão atingir a mão dele em cheio. O irracional disse noutro lugar que não dá pra debater com a esquerda nas universidades porque eles não debatem, ofendem, xingam desqualificam, tudo o que o desmemoriado faz aqui. Será que essa praga “Paulo 2”, não é de esquerda ?

    • Começando abaixo cheirador de pó, é brincadeira isso aqui, esses caras são doentes
      penso exatamente assim, tudo farinha do mesmo saco podre, esse sujeito está há décadas em Brasília e nada fez, aqui no Rio ninguém sabia quem era ele, mas mora na Lúcio Costa, humm…Hoje encontrei com um amigo que me afirmou que o dito cujo tem 3 apts na Urca, nada mal.

      • Viu a mansão do cara na Barra da Tijuca ? Por que esse cara fugiu da miséria do Vale do Ribeira, SP, ” o vale da fome”, e foi fazer carreira política no RJ, o estado mais corrupto da federação ? Se fizerem na vida dele a mesma devassa que fizeram na do Lula, é possível que dê um rio ribeira inteiro de merda.

        • Exato,Eldorado Xiririca tem que falar….
          Mais de 70 lojas e fazendas.
          Revistas foram retiradas das bancas a mando do ditador.
          Tudo na mão de parentes e capangas…
          Quem o protege ?
          Esse é dos bons, na verdade são duas na L.Costa, uma é de um dos filhos,e tem também uma coleção de imóveis na zona sul do Rio, fora a casa em Angra, honestoooooooo!

          • Meu estado é o campeão da gatunagem, uma vergonha, o judiciário daqui é o mais podre. O Cabralalau não teria feito o que fez sem eles.
            Tenho um amigo auditor na secretaria de fazenda do estado, que trabalha pela recuperação das finanças, é de chorar o que roubaram, mas todos tem que pagar, alô canalha J.Lopes, tá ouvindo ?

  4. Alguém poderia me esclarecer qual o significado do termo conservador? Por que o Bolsonaro é conservador, se ele propôs que o Brasil mudasse enquanto que o Haddad, que quiz manter tudo igual, por comparação, é de vanguarda?

    • ” propor que o Brasil mudasse…” Profundo isso, não ? Sofismar é fácil, agora queremos ver da tal mudança, que se for para o bem de todos, estamos juntos para o que der e vier, mas se for para azarar ainda mais a vida da população, que vá para inferno com as suas “mudanças”, das quais estamos todos fartos há muito tempo.

    • Pior, Paulo2, é ouvi-los se chamando de “Progressistas”.
      Querem trazer o “progresso” de Cuba, da Venezuela, da Nicaragua, ou da ,Coreia do Norte pra ca…
      Progressistas???
      Kkkkkkkkkk KKK…. só rindo, mesmo…

      • Eu quero trazer para cá o progresso da Confederação Europeia, que capou o poderio e a supremacia norte-americana na Europa, e que está fazendo de tudo para que o mesmo não aconteça na América do Sul e latina, sob a liderança do Brasil, contanto com a ajuda dos tradicionais quinta-colunas para impedir a emancipação do Brasil frente aos EUA.

  5. Lá vem o outro atacar Dilma, Lula e os petistas, outra vez, usando o ataque como arma de defesa. Vira o disco, criatura, ou vai passar o mandato inteiro à moda lombriga que não sobrevive sem a merda lulopetista ? Ajoelhou tem que rezar, vai ter que dizer a que veio, e logo.

    • Fala para ele que se o capeta não se comportar bem, a gente tira ele que nem a Dilma das pedaladas, pelo menos não era fascista.
      Ele vai ter que ajoelhar para rezar bonitinho, se não vai dançar…
      Eles ganham cinquetinha e o sanduiche podre.

  6. A nova forma de fazer política sei bem qual é, o pai e os três filhos no total de quatro boçai$$$$$$$$$$$$$$$
    e dá-lhe pixuleco, eta coisa boa sô.

  7. Não há necessidade de fundos bilionários, menos ainda de se mancomunar com financiamentos viciados de empresários e banqueiros. Gasta-se muito mais para se fazer o errado no Brasil. Fugindo das coligações e com menos de dez segundos de televisão, o mito se elegeu presidente da República do Brasil. Já entra sem ter qualquer dívida de campanha, entra sem comprometer sua credibilidade para lidar com os problemas do país. Entra sem permitir o retorno do PT, coisa que o PSDB sempre falhou. O que mais impressiona é que entra, também sem apoio da mídia que se esforçou para derrubá-lo publicando inverdades sobre ele. Bolsonaro, bateu o sistema e mostrou o quanto de hipócrita e podre este se tornou. Na verdade, Bolsonaro foi apenas o homem certo, na hora certa, com as ideias que absorveu do povo e soube muito bem parear com aquilo que pregava. Não foi atoa que nas últimas grandes manifestações, foi o único político que o povo deixou que se juntasse a ele. O crime cometido contra sua integridade física, apenas reforça a necessidade dele estar onde está.

  8. 1) http://alefnews.com.br/partido-vegano-vai-disputar-eleicao-em-israel/?utm_term=Partido+vegano+vai+disputar+eleicao+em+Israel&utm_campaign=MW+Comunicacao+empresarial&utm_source=e-goi&utm_medium=email

    2) Partido Vegano vai disputar eleições em Israel.

    3) Veganismo é uma dissidência dos Vegetarianos.

    4) Veganos só comem produtos do reino vegetal. Enquanto que vegetarianos, às vezes usam leite, seus derivados e ovos.

    5) Lacto-Vegetarianos e Ovo-lacto-vegetarianos não matam os animais…

  9. E pensamos que iriamos nos livrar, ao menos por um tempo, dessa raça idiotizada petista.
    Que nada, estão por aí, cada vez mais raivosos, virulentos, agressivos.
    Já cobram do Presidente recem eleito.
    What??????
    Ficaram 15 anos quietinhos, e agora se acham no direito de cobrar.
    Voltem pras Trevas, espiritos dos infernos.
    Deixem esse pais em paz!!!!
    PS: lula ta preso, seus BABACAS!!!!

  10. Jamais pensei em escrever dessa forma, mas observo como necessária.

    Diante de textos absurdos, contraditórios, mal escritos, pois confusos, agressivos, atacando Bolsonaro, que sequer assumiu o governo, e seus autores tomando conta deste espaço, conforme já vimos esse filme no passado recente, deixo a ideia ou sugestão de serem absolutamente ignorados!

    Por mais que nos provoquem, que sigam postando mentiras torpes, conclusões ridículas, que as essências dos textos sejam idiotas e imbecis, penso que não devemos perder tempo em ler as asneiras publicadas.

    Vou mais além:
    Quando Paulo 2 foi contestado porque não se identifica, seu acusador igualmente jamais se soube o seu nome, mas se acha no direito de criticá-lo e rotulá-lo como bem quer!

    Portanto, se quisermos debater, discutir, que façamos entre nós tais diálogos, e deixemos de lado os dois ou três indivíduos que se mostram revoltados com a decisão do povo, que elegeu Bolsonaro DEMOCRATICAMENTE!

    Que levem para outro blog seus lamentos e queixas, seus comentários inócuos e desvairados, seus raciocínios obtusos e más intenções.

    A TI precisa ser arejada, e não manter a mesma imundície de sempre.
    Temos vassouras, água, baldes, até mesmo bactericidas.
    Nunca antes a faxina se tornou tão simples de se fazer.

    Minha solidariedade absoluta, ao dr.Belem, ofendido de maneira maldosa, CRIMINOSA, pelo fato de a interpretação do acusador a respeito do comentário do nobre advogado postado, ter sido feita com nítida má intenção!

    • Melhor….

      Concordo contigo.
      Um chamego faz muita falta à estabilidade emocional, sim!

      Não ter uma pessoa que fale macio aos nossos ouvidos é torturante, logo, o que escreve é em decorrência dessa frustração, dessa falta de carinho, afeto e … sexo!

      Abração.

  11. Bem interessante a opinião abaixo transcrita.

    OPINIÃO
    Porque me tornei um “fascista”…
    30/10/2018 às 13:18

    COMPARTILHAR
    Publiquei uma foto no dia da eleição do Bolsonaro e, como título, escrevi que era o dia da libertação.

    Um amigo, a quem tenho especial admiração, inclusive pelas suas posições de esquerda, sempre ponderado e inteligente, me questionou o porquê daquela “libertação”.

    Entendo que uma das maiores dádivas humanas é o livre arbítrio e, para uso pleno dessa dádiva é necessária a inteligência e principalmente a liberdade plena.
    Tenho militância político partidária por mais de quatro décadas. Comecei no MDB, pelas mãos de Euler Bentes Monteiro, então candidato à Presidente da República.
    Ombreei com meu amigo Dante de Oliveira nas lutas pelo campus da UFRJ e mais tarde fui um dos organizadores do comício das diretas em Campo Grande (MS).

    Como profissional, conheci de perto a miséria do povo brasileiro nos meus trabalhos de reurbanização de favelas, principalmente no meu Nordeste tão querido.

    Mas nessa campanha, fui apelidado de “fascista”, inclusive por amigos de infância e até mesmo ameaçado fisicamente por militantes do partido da estrela vermelha, por não concordar com a tentativa de continuidade desse projeto de poder tão daninho ao Brasil.

    Além da corrupção institucionalizada, o uso populista dos programas assistências que equivalem às miçangas distribuídas aos indígenas, a destruição da educação brasileira, a mentira como método e meio de propaganda, o aparelhamento das instituições, a idolatria cega e insana em torno do criminoso líder dessa organização, o que mais me incomodou é o pensamento único desses fanáticos.

    E é esse o meu grito de liberdade: não aceito ser manietado pelo pensamento alheio.
    Respeito as posições, da inteligência ponderada, dos fatos reais, da verdade em primeiro lugar.
    Me recuso a ter ídolos, me recuso a seguir “manuais” de pensamento ou de comportamento, me recuso pertencer à panelinhas de gente “enturmada”.

    Me recuso a abaixar a cabeça para esses demagogos, de egos inflados, que se acham os donos da verdade e olham para quem não se submete à sua pretensa verdade, como seres inferiores.

    Não sou manietado por ninguém, e não tenho vergonha de aprender e mudar eventualmente de opinião.

    Podem me chamar de fascista, esse apelido tão fácil usado pelos senhores da verdade – e que nem sabem o que significa. Querem saber? Dou risada!

    E aviso, como tenho liberdade, posso perfeitamente me opor à posições eventuais do meu candidato: isso é DEMOCRACIA.
    Essa eleição foi o grito de liberdade da maioria do povo brasileiro, que estava sufocado pela arrogância dos fanáticos dessa seita em que se transformou esse partido.
    Deus voltou a ser brasileiro.

    Fayez Feiz José Rizk
    Arquiteto em Campo Grande-MS.

    https://www.jornaldacidadeonline.com.br/noticias/11994/porque-me-tornei-um-equotfascistaequot

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *