Funcionário do FNDE foi afastado por ganhar uma motocicleta presenteada pelos pastores

Victor Godoy Veiga: quem é o novo ministro interino da Educação

A informação foi dada pelo atual ministro, Victor Godoy

Julia Affonso, Rayssa Motta, Pepita Ortega e Fausto Macedo
Estadão

Com poder sob a agenda do então ministro Milton Ribeiro, os pastores Gilmar dos Santos e Arilton Moura também cooptaram um servidor do Fundo Nacional de Desenvolvimento Nacional da Educação (FNDE) para agilizar a liberação de recursos. Além de cobrar propina de prefeitos até em ouro, os religiosos teriam subornado como uma motocicleta um servidor do fundo que concentra a maior parte da verba da Educação.

O relato do suposto suborno foi narrado pelo atual ministro, Victor Godoy, e está registrado no inquérito aberto para investigar corrupção na gestão de Milton Ribeiro no MEC.

COTA DE CIRO NOGUEIRA – O FNDE concentra a maior fatia de recursos destinados a investimentos em educação e é presidido por Marcelo Ponte. Ele chegou ao cargo por indicação do ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, de quem foi chefe de gabinete. Relatório da CGU registra relato de Ponte ao atual ministro da Educação, Victor Godoy.

Segundo o parecer, um servidor do FNDE identificado como “João” ganhou uma motocicleta do pastor Moura. O funcionário foi exonerado e o caso é investigado pela CGU.

Os pastores não tinham vínculos com a administração pública nem com o setor de ensino e facilitavam o acesso de prefeitos ao então ministro. A dupla participava de agendas fechadas para discutir o uso de recursos destinados à educação.

NOMEAÇÃO FRUSTRADA – A relação de Ribeiro com os religiosos era tão próxima que, no ano passado, o então ministro quis nomear Arilton Moura em um cargo no MEC.

A ideia inicial era que o religioso ocupasse um posto no gabinete de Ribeiro. Como não havia vaga, Victor Godoy – à época, secretário executivo da pasta – ofereceu uma posição em sua área com salário de R$ 10.373,30. Moura ficou “descontente com a remuneração”, externou sua insatisfação na frente de servidores e solicitou posto “com melhor vencimento”.

A nomeação do pastor Arilton Moura foi barrada pela Casa Civil. Relatório da CGU não esclarece o motivo do impedimento. A solução encontrada pelos pastores foi a nomeação do advogado Luciano Musse. O chefe de gabinete do ministro da Educação, Djaci Vieira de Sousa, relatou que já se sabia internamente que Musse tinha feito parte da comitiva dos pastores.

VELHOS PARCEIROS – Antes de ocupar o cargo no MEC, Musse acompanhava os religiosos em agendas no gabinete de Ribeiro. No dia 6 de janeiro de 2021, os registros oficiais da pasta mostram uma “visita de cortesia” de Moura em que ele estava acompanhado pelo advogado. Em ao menos outras quatro agendas oficiais, a presença de Musse como integrante da comitiva dos pastores também foi registrada.

Sem vínculos com o setor de ensino e sem possuir cargo público, o grupo de pastores passou a comandar a agenda do ex-ministro Milton Ribeiro, da Educação

Servidores do gabinete do ministro afirmaram à CGU que alertaram Ribeiro sobre o “comportamento estranho” dos religiosos e relataram “desconforto” com as idas frequentes da dupla à pasta. A chefe da assessoria de agenda do gabinete do ministro da Educação, Mychelle Braga, disse que “nenhuma pessoa ou outra autoridade esteve naquelas dependências com a frequência do pastor Arilton”. Outra servidora listou eventos oficiais em que os pastores eram os “protagonistas”, já que eram eles que marcavam os compromissos e intermediavam o contato com prefeitos.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
O mais incrível nisso tudo é que os pastores evangélicos se julgavam acima da lei e da ordem, pensavam (?) que jamais seriam desmascarados. E agora eles estão tirando votos de Bolsonaro na reta final da campanha. E como dizia o escritor e estadista alemão Johan Goethe, “dize-me com quem andas e dir-te-ei quem és”. Como se sabe, Goethe era cristão, mas abominava a exploração da fé, e, mais especificamente, da cruz. (C.N.)

4 thoughts on “Funcionário do FNDE foi afastado por ganhar uma motocicleta presenteada pelos pastores

  1. Estes pastores não tem a mínima noção do que os espera.
    Eles podem enganar a milhões de crentes, mas quando chegar a hora do inquérito final, a fatura será impagável.

  2. É surreal a quantidade de escândalos que se acumulam durante este catastrófico desgoverno. A cada dia, um novos ilícitos são denunciados.
    A promessa inicial de ser composto, por uma equipe de renomados foi cumprida, só esqueceu-se de comunicar que eram renomados ao avesso.O mais recente: Denuncia de assédios sexuais, praticados pelo atual Presidente da Caixa, o renomado Pedro Guimarães.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.