Governo Bolsonaro tem corrupção sistêmica como no passado, constata delegado federal

Follow the pen”: Delegado da PF aborda investigação do crime ...- Migalhas

Jorge Pontes pesquisa a trajetória da corrupção no Brasil

Guilherme Amado e Bruna Lima
Metrópoles

Estudioso do chamado crime institucionalizado, o delegado da Polícia Federal aposentado Jorge Pontes avaliou, em entrevista à coluna, que a corrupção sistêmica é tão presente no governo de Jair Bolsonaro como era em outros, como os de Lula e Dilma Rousseff.

Pontes é autor do livro “Crime.gov”, escrito em parceria com o delegado Márcio Anselmo, que descobriu a corrupção na Petrobras que deu origem à Lava Jato.

MAIOR EQUÍVOCO – A obra, lançada em 2018 no Brasil, foi traduzida agora para o inglês pela editora Objetiva — lá fora recebeu o nome de “Operation Car Wash” (tradução literal da Lava Jato para o inglês). Na entrevista, Pontes afirmou que “o maior equívoco” dos apoiadores do presidente foi acreditar que não existe corrupção no governo do capitão.

Ao longo de sua carreira o ex-delegado teve protagonismo na instalação de delegacias especializadas em meio ambiente pelo país e foi diretor no Ministério da Justiça enquanto Sergio Moro comandou a pasta.

Pontes afirmou ainda que a Polícia Federal nunca teve tanta perda de autonomia na redemocratização quanto no governo Bolsonaro. O delegado aponta que não há investigação de casos de corrupção no governo porque o presidente “desestruturou arcabouços de fiscalização”.

Em que momento ficou claro para você que combate à corrupção não era o principal propósito no governo Bolsonaro?
Olha, isso foi acontecendo bem à prestação. Não teve um momento certo, talvez naquele momento em que o presidente sinalizou, ao retirar o COAF, o enfraquecimento daquela estrutura. Nós também estranhamos a forma como o presidente e o entorno ideológico dele interferiram em uma indicação de uma pesquisadora que ia fazer parte de um grupo, a Ilona Szabó… Foram pequenas sinalizações que foram mostrando um crescente. Depois, a tentativa de tirar o meu colega, diretor da Polícia Federal, o Maurício Valeixo. E a troca da Superintendência do Rio de Janeiro, que virou uma fixação do presidente.

Eram muitos sinais, não?
Exatamente, e tudo aquilo foi dando uma sensação muito ruim, nós nos entreolhávamos no Ministério da Justiça, eu tinha colegas de longa data lá, de turma de delegados, e todos lá estavam iludidos. Totalmente iludidos com a possibilidade de estarmos fazendo um trabalho inovador. Nós começamos a sentir que não tínhamos o apoio do Planalto e ficou claro isso por conta do passado de Bolsonaro, do envolvimento dos filhos, do envolvimento do próprio presidente em processos de rachadinha, enfim, por conta de todo o passado que até então era nebuloso para mim e outros colegas por causa das promessas de campanha.

Se não há investigação de fôlego, não tem como saber se está tendo corrupção, não é?Mas é claro. É só fazer um levantamento do número de delegados que foram afastados porque iniciaram uma investigação ou tomaram alguma iniciativa processual contra algum integrante do governo. Um caso que merece um olhar nessa nossa discussão é o caso do Ricardo Salles, o ex-ministro do Meio Ambiente. Para mim é um caso clássico de crime institucionalizado, porque, repare, ele (Bolsonaro) desestruturou, ele enfraqueceu, de cabeça pensada, todas as estruturas de fiscalização e repressão de crimes ambientais.

A fiscalização diminuiu…
O presidentee foi tirando os técnicos e colocando militares, pessoas que não têm o menor perfil para trabalhar com meio ambiente. Depois ele foi tirando os normativos, a necessidade de documentos para extração e exportação de madeira. Ele desestruturou os arcabouços de fiscalização e deu no que deu. Isso é delinquência institucionalizada e partiu de cima. O Bolsonaro dizer que botaria a cara no fogo pelo ex-ministro da Educação é a cara do crime institucionalizado. Os esquemas têm a benção, a chancela. Nos últimos anos, e incluo o governo PT nisso, os esquemas têm o conhecimento das cúpulas.

O que você está dizendo é que há crime institucionalizado?
Sim, nós já temos evidências. Nesse caso do MEC, no caso do Ministério do Meio Ambiente, no próprio Ministério da Saúde, com todas aquelas tentativas da Covaxin… E tenho uma suspeitas sobre a obsessão armamentista desse governo. Eu não me surpreenderia de lobbies, de militares da reserva que fazem portas giratórias e vão para a indústria de armas… São várias obsessões estranhas, a própria fabricação da cloroquina… Eu nunca ouvi maior balela do que dizer que esse governo não tem corrupção.

13 thoughts on “Governo Bolsonaro tem corrupção sistêmica como no passado, constata delegado federal

  1. Conclusão à que podemos chegar: A MK continua em pleno desenvolvimento com seus revesados prepostos para tanto alçados!
    Tenho dito: Coisas de sabotadores criminosos desenvoltos e com a maior cara-de-pau!
    Emprestar ou doar a dignidade das forças armadas como parte DISSO é um vexame que exige urgente freio e alteração, mandando a internacional e submissa “Mãe da Impunidade & Congêneres & Ecumênicas Meretrizes”, prá pqp!
    O Brasil continua sendo sabotado por maus desassemelhados!

  2. Engraçado… e eu que pensava que tudo isso tinha acabado no governo Bolsonaro. Não por ele, mas pelos seus pastores. Horrores, nunca pensei que um homem santo pudesse roubar.

    • Só faltou dizer que é eleitor de Lula … Pensando bem, confiança, mesmo, só tenho em mim. Jamais serviria para cargo executivo. Se em família existe desconfiança, imagine-se confiar em alguém só porque alguém (ou um grupo) indicou.

      “Jamais espere coisa alguma de outra pessoa: você nunca ficará decepcionado”.

  3. Mais um ressentido, por ter sido defenestrado. O delegado vendedor de livro fala em corrupção “sistêmica”, mas não aponta um só caso. Indagado em que momento percebeu que que o governo não combatia a corrupção fica de enrolação pra não dizer o óbvio: “no momento em que nós, os pássaros bicudos, fomos chutados do governo”.

  4. O tamanho de uma corrupção, não pode ser dimensionado, somente pelos valores que foram subtraídos.
    Se mede também, e principalmente, pelo tamanho da estrutura que foi montada, para subtrair.
    É inigualável.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.