Guedes só virou ministro porque Bolsonaro é limitado e não entende nada de economia

paulo guedes

Charge do Nando Motta (Arquivo Google)

Roberto Nascimento

Em sua geração, Paulo Guedes sempre foi um economista relegado a segundo plano, a exemplo dos deputados do baixo clero, como são taxados os parlamentares sem relevância no Congresso e que se abrigam geralmente nos partidos do Centrão. Sempre esteve no mercado e foi um dos fundadores do Banco Pactual.

Na administração pública, sua atuação limitou-se a uma assessoria à equipe econômica do ditador Augusto Pinochet no Chile. Sua única referência no campo do estudo econômico foi a implantação do fracassado modelo de Capitalização de Aposentadoria, destinado a substituir a Previdência Pública do Chile, na verdade uma farsa para beneficiar banqueiros, que causou uma revolta popular naquele país. Mesmo assim, Guedes insistia em replicar a farsa aqui no Brasil.

DEPOIS DO PACTUAL – Paulo Guedes ganhou um bom dinheiro no Banco Pactual. Quando saiu, criou a corretora JGP e foi ganhando mais dinheirinho, lícita ou ilicitamente, como gestor de recursos de Fundos de Pensão, que foram fraudados por ele, segundo denúncia oficial da Superintendência de Previdência Complementar (Previc), porque aplicou recursos em fundos financeiros criados por ele próprio, o que explica suas contas offshore nas Ilhas Virgens Britânicas.

Investigado pelo Ministério Público, recusou-se a depor, alegando ter foro privilegiado, por ser ministro de Estado. Se fosse um homem correto e sem enriquecimento ilícito, certamente teria se apressado em depor, para provar sua inocência.

Sinto até uma ponta de inveja desse sortudo, pois seu investimento se multiplica no exterior, enquanto aqui no Brasil as aplicações financeiras não rendem nada.

CZAR DA ECONOMIA – Pois bem, Bolsonaro convidou esse ilustre desconhecido para o Ministério da Economia e lhe concedeu carta branca e plenos poderes, uma condição que nenhum governante pode delegar a ninguém.

Um tremendo fracasso desde 2019 até hoje. Gasolina, diesel, gás, nafta, querosene, embalagens e produtos plásticos em alta, devido à política errônea da Petrobras, inflação de dois dígitos, cesta básica nas alturas… e esse representante do mercado financeiro mentindo ao dizer nas plateias que o Brasil estava decolando em V.

Bufão e demagogo, agora inventou que tem que vender a Petrobrás para dar dividendos do leilão para o povo. Quem acreditar ganha tanque cheio de gasolina aditivada?

UM SER DESPREZÍVEL – Guedes é um elitista, que já desprezou as empregadas domésticas que viajam ao exterior e os filhos de porteiro que frequentam universidades. Chegou a reclamar que os idosos estavam vivendo muito e dando prejuízos para a nação. Queria dar apenas 300 reais de auxílio emergencial, mas foi atropelado por Rodrigo Maia, então, presidente da Câmara, que aumentou para 500 reais, e Bolsonaro subiu para 500 reais, para evitar o vexame.

Guedes também é contra o Vale Gás, essencial para o povo, faz tudo isso e ainda pretende que acreditem nele, quando diz que vai distribuir dinheiro das privatizações para projetos sociais

Os presidentes do Chile e do Equador, também descobertos com contas no exterior, devem sofrer impeachment. No Brasil não vai dar nada, porque até a TV Globo alivia o Guedes, enquanto senta a pua no Bolsonaro. Ah, meu Brasil brasileiro, sempre retrocedendo. Os governantes só pensam neles, o povo é desconsiderado completamente,

21 thoughts on “Guedes só virou ministro porque Bolsonaro é limitado e não entende nada de economia

  1. Não se trata de narrativas e sim da mais completa realidade. Os fatos estão aí, vivos na memória popular, através dos pronunciamentos do ministro, que depois desmente as barbaridades que pronuncia nos fóruns econômicos alegando que foram retirados do contexto. Uma saída à francesa, típica de políticos enganadores.
    Quem vai aos Supermercados e aos postos de gasolina sabe muito bem, dessas narrativas, porque dói no bolso e como dói.

      • Obrigado José Carlos de Andrade Werneck. A situação econômica é grave. Sabemos que a Economia é a rainha de todos os males. Quando vai mal, carrega consigo outras crises: Política, Social, Desemprego e Miséria.
        A História é mestra em exemplos. A crise econômica na Europa foram os motores propulsores da Primeira e da Segunda Guerra Mundial.
        A Pandemia desorganizou as Economias globais. A inflação no Brasil atingiu os dois dígitos. Os pobres ficam mais pobres e a classe média afunda na crise. Sem poder de compra o efeito dominó atinge todas as classes. O capitalismo vive de compra e venda. Comprando menos, as classes altas e médias, a produção cai e o Empresariado começa a demitir.
        Triste mesmo.

  2. Ronaldo, o eleitor sempre é o senhor da razão. O eleitor procurou uma saída e encontrou um labirinto difícil de sair dele. Muita fakenews, robôs inundando as redes sociais, promessas de combate a corrupção, nova política. E tão, o que vemos agora: tudo mentira. Estão agarrados no Centrão de braços dados, ombro a ombro como Brizola gostava de dizer.
    Defenestraram o xerife Sérgio Moro e praticamente destruíram a Lava Jato.
    Isso é a Nova Política? Não, é a mesma de sempre, com uma dose de sadismo com a vida humana e o drama dos mais pobres.

      • Concordo em parte com você Jaco. Os erros cometidos por alguns integrantes daquela Força Tarefa, os quais, extrapolaram o Devido Processo Legal, principalmente, aquela exposição no Power Point no Fantástico da Globo e a tentativa de controle de um Fundo de bilhões enfraqueceu a operação.
        Entretanto, o golpe fatal na Lava Jato foi desfechado por Bolsonaro, quando escolheu o PGR fora da lista tríplice, o qual criticou os procuradores e diminuiu as verbas para as investigações.
        Tudo com o apoio do Centrão, que agora está dando o tiro fatal no MP, com a PEC do Conselho do Ministério Público e o fim da Lei da Improbidade Administrativa, além da flexibilização das punições aos corruptos.
        Isso ninguém admite não é? Porque os cegos só vêm erros nas atitudes dos vizinhos.
        E a vida segue seu rumo.

  3. Em relação ao MP, sou favorável a que se tenha algum controle das ações de seus integrantes, como ocorre em todas as Instituições. Afinal, ninguém é infalível.
    A atual composição do CNMP favorece as decisões corporativas.
    É preciso punir, quem se desviou das suas funções constitucionais. Isso vale para o Judiciário, para o Executivo, Legislativo, MP, TCU, etc…
    Atualmente, o rigor da Lei ocorre nas costas do Servidor Público, preferencialmente.
    Por exemplo, torna-se inadmissível, quando um juiz comete um deslize, a punição máxima ser a aposentadoria compulsória, enquanto o servidor público, quando erra é demitido e perde o direito a aposentadoria.
    E como fica o Instituto da Isonomia?

  4. Obrigado Limongi.
    Estou vacinado contra o vírus das Fakenews.
    O embate das ideias é salutar para o esclarecimento dos problemas nacionais. A sociedade dividida e polarizada entre petistas e bolsonaristas não serve ao país. Os problemas nacionais se agravam perigosamente. Há risco de ruptura institucional, o que gera divisão da pátria. Precisamos lutar contra esse dragão destruidor da nacionalidade.
    A miséria da população salta aos olhos, na cidade maravilhosa, nos bairros de classe média e nos populares. Que fazer? Há muito o que fazer, mas, o ministro da Economia tem outros afazeres, tais como dar entrevistas em inglês no exterior e cuidar dos seus Investimentos nas Ilhas Virgens Britânicas.
    Um abraço.

  5. Excelente texto!
    Parabéns!!!
    Clap, clap, clap!
    .
    (Ressalvo valor final do abono: de 500 para 600.)
    .
    BROXAnaro e seus asseclas (TODOS do primeiro escalão!) não passam de excrescências humanas.
    .
    Quanto aos teleguiados, moscas do cocô do cavalo do bandido. Afasto com um sopro ou simplesmente me afasto.

    • Você está atento, Batista Filho. Obrigado pela correção.
      Bolsonaro na época, estava em disputa política com o presidente da Câmara.
      Guedes queria dar 300 de auxílio emergencial. Rodrigo Maia propôs 500 reais e Bolsonaro subiu para 600 reais, o que acabou prevalecendo na votação da Câmara. Guedes quase colocou fogo nas vestes, sob a alegação de desequilíbrio fiscal.
      Bolsonaro agiu politicamente. O presidente de bobo não tem nada. Sua popularidade em queda livre, subiu após a concessão do Auxílio Emergencial.
      Por essa singela razão, vem aí o Renda Brasil turbinado, uma espécie de UP grade do Bolsa Família, visando a reeleição em 2022.

  6. Uma das coisas mais estúpidas do capitalismo é a ideia de que as estatais, que pertencem ao Estado, que é emissor da moeda nacional e retentor de capitais externos, possam falir só para enriquecer uma meia dúzia de vagabundos plantados nos topos dos oligopólios. Se o Estado não pode falir, por que os seus braços materiais, as estatais, deveriam falir? Ao invés do artificialismo do falir, por que não processar a administração ímproba da estatal e anistiar a sua dívida em moeda nacional e isentar de impostos os seus credores?

    Só um povo colonizado, escravo, para rejeitar as suas estatais.

  7. Renato, obrigado pelo comentário.
    Desde a década de 90, começaram a demonização das empresas estatais, em um processo continuo de esvaziamento, preparando- as para a privatização.
    Primeiro impediram as estatais de contrariem empréstimos nos Bancos oficiais, como o BNDES, um privilégio das empresas privadas, isso ocorreu no governo FHC.
    Impediram as empresas estatais de investir na modernização de suas estruturas com recursos do Estado. Lógico, o sucateamento veio rapidamente. A LGHIT e a TELERJ eram as campeãs de reclamações dos clientes. Quando foram privatizadas jorrou recursos dos governos. Agora, os serviços privatizados começam a ficar piores do que antes.
    E só observar o serviço dos trens urbanos, uma tormenta diária e a concessionária de Eletricidade não dá conta de restabelecer a Energia quando chove aqui no Rio.
    Os aeroportos privatizados estão indo a falência um a um e o serviço está péssimo. Viracopus, Galeão e Natal abriram o bico e outros não pagam o valor de outorga.
    Até as estatais lucrativas e a Vale do Rio Doce foram vendidas a preço de banana, demonstrando que a narrativa de ineficientes não colou.
    Penso, que numa Democracia devam existir empresas privadas e empresas estatais, ambas competindo por mais eficiência, preços menores e a satisfação dos clientes.
    O fato é, que empresas estatais foram criadas, ainda no Segundo governo Vargas, porque o empreendedor privado não se dispôs a investir na Industrialização brasileira. Então, Getúlio criou as bases da Indústria: Usina de Volta Redonda ( CSN), Petrobrás e Eletrobrás.
    No regime militar de 1964 a 1985 foram criadas as principais Hidroelétricas do Brasil: Itaipú e Tucuruí.
    Bem, o assunto é extenso e complexo, ficamos por aqui.

  8. Já no fim de 2019 o combustível do Posto Ipiranga tinha acabado. Como o mito não conhece nenhum economista terrivelmente evangélico, foi ficando com o Posto Ipiranga, mesmo assim. A pandemia foi a tábua de salvação, mas o mito e o Posto Ipiranga não também souberam aproveitá-la. Desculpas tinham aos milhares mas preferiram bater nos alvos errados, agora só restou a demagogia barata de todo governo fraco e sem projeto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *