Intervenção federal é a única saída para Brasília

José Carlos Werneck

“No dia de seu aniversário Brasília viveu um momento significativo. O governador Rogério Rosso, após ter seu carro cercado por populares, que protestavam por sua indicação, em eleição indireta, pela Câmara Distrital, teve o bom senso e a inteligência de desistir de participar das comemorações dos cinqüenta anos da inauguração da cidade. O que se depreende deste episódio, é que no Brasil de hoje, só o voto popular legitima o escolhido.

A indicação de Rogério Rosso foi feita com base na legislação do Distrito Federal e obedeceu a todos os requisitos nela previstos. Mas não foi legitimada pela população, que percebeu na escolha, toda a sorte de conchavos, troca de favores e demais arranjos políticos. Isso atualmente é impensável,no momento de plenitude democrática vivida pelo país,depois de um longo período de autoritarismo.

Durante o regime militar, o Congresso Nacional, homologava o escolhido pelas Forças Armadas e o “eleito” governava escorado e protegido por um esquema de segurança,que garantia o exercício de seu mandato.Era a máxima de “que todo poder emana da força e em seu nome será exercido”,tão ao gosto dos regimes totalitários de esquerda ou de direita.Mas no Brasil democrático isso não funciona mais.O povo quer transparência,e sobretudo participar ativamente da escolha de seus representantes.

Quando o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, falou da necessidade de intervenção no Distrito Federal, confesso que fiquei chocado.Intervenção por que?Afinal havia uma cadeia sucessória, prevista em lei e que devia ser respeitada. Ou seja: vice-governador, presidente da Câmara Distrital e presidente do Tribunal de Justiça. O vice-governador, devido a seu comprometimento com o esquema, que levou ao afastamento e prisão do governador, renunciou ao cargo. O presidente da Câmara Distrital assumiu o governo e foram convocadas as eleições indiretas, que culminaram com a indicação de Rogério Rosso. Teoricamente estaria tudo resolvido e obedecendo-se estritamente os preceitos legais.

Mas nada disso aconteceu, por que, como disse o procurador-geral da República, os quadros políticos de Brasília estavam todos contaminados. Depois do acontecido, ontem, com o povo cercando o carro do novo governador, fiquei plenamente convencido que Roberto Gurgel estava certíssimo. A única saída para a crise,em Brasília é a intervenção federal, cujo pedido será julgado pelo Supremo Tribunal Federal, nos próximos dias.E tudo isto por que a cadeia sucessória, que eu tanto prezava, estava toda contaminada e as únicas cadeias que funcionaram eficazmente foram a carceragem da Polícia Federal e a Penitenciária da Papuda.Muito sábio esse Dr. Roberto Gurgel!

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *