Lula-Raul-Fidel-Gandhi. Os três primeiros se perderam, esqueceram do quarto, que deveria ser o grande exemplo. Fidel não manda mais nada, Raul se “engana” de hospital” com greve de fome., Lula se “engana

Os três estão na foto histórica e admirável de Ricardo Stuckert. Qual desses três colocará primeiro a foto num quadro e enviará para os outros? Qual deles, antes dos outros, se arrependerá primeiro da foto?

Na verdade, os três mudaram muito. Fidel era absoluto, durante mais de 40 anos não deu a menor chance ao irmão. Raul ficou sempre em silêncio, sem protestar, sem se revoltar ou tentar aparecer. Bem ao contrário. Ficou sempre em silêncio, nem embaixadores do Brasil conseguiam falar com ele, Chefe das Forças Armadas, a segunda pessoa do regime.

Lula, quem diria, líder sindical que comandou tantas greves, condena os resistentes, (como Gandhi) que, intransigentes, arriscam a própria vida em greves de fome. Nunca utilizaram armas, usavam o que podiam, a própria vida. Nas lutas sindicais Lula jamais soube de uma greve de FOME?

Lula-Gandhi

Falastrão, o presidente brasileiro vai dizendo as bobagens que bem entende (?). Condenou a greve de fome política, sem perceber, como líder sindicalista, que existem duas grandes conquistas, para trabalhadores ou não. 1 – A greve propriamente dita. 2 – A outra, a política, (à qual se referia) cujo ponto mais alto é o líder da Índia, Gandhi, que se projetou mundialmente como Mahatma, “alma pura”, em tradução livre.

Ninguém imagina que Lula saiba quem foi o homem que praticamente sozinho conseguiu a libertação de seu país. E isso, pregando a não violência, preso muitas vezes, desterrado, sendo que pelo menos 20 anos na África do Sul, lutando contra o racismo. Pode ser dito que foi o primeiro combatente do Apartheid, embora a palavra não fosse conhecida.

Lutou, sem armas, de todas as formas, pela independência da Índia. Apelou varias vezes para a greve de fome, que há 70 anos e sem avanço da tecnologia da comunicação, era manchete no mundo inteiro. Finalmente, em 1947 foi assinada a independência do país. (Mesmo tendo perdido o Paquistão. Imaginem, hoje, Índia e Paquistão, um só país?)

Quando digo que Lula não sabe quem foi Gandhi, não é totalmente depreciativo. É que o extraordinário líder foi assassinado logo a seguir, em 1948. Ia completar 80 anos e Lula estava nascendo. Não se lembra de nada e esqueceu de ler alguma coisa.

Só para registrar: é um dos momentos mais melancólicos, mais lamentáveis, mais incompreensíveis, o assassinato de Gandhi. A humanidade tem o gosto, o prazer e a satisfação da desumanidade. Mas não precisava chegar a esse ponto de eliminar um líder pacifista, quem jamais usou arma, que tinha apenas como instrumentos de combate, a convicção, a liberdade, o respeito pelo cidadão. Gandhi (que se formou em Direito na Inglaterra) lutou, nobre, brava e incessantemente contra um pais que na época dominava o mundo.

***

PS – Lula está convencido de que realmente pode dizer o que quiser, nada lhe acontecerá. No próprio governo, não quebrará a impunidade, não tem a menos semelhança com Arruda, lógico, em matéria de LIBERDADE.

PS2 – Já alguns conselheiros e analistas, (são tantos), não concordaram com seu silêncio. E diga-se com isenção e conhecimento dos fatos: eram contra a ida de Lula a Cuba neste momento.

PS3 – Lula nem ligou, antes de ir ou enquanto estava lá. Tem certeza de que vai transferir os votos necessários para a eleição do seu (?) candidato. E então, em volta dele, a fortaleza de duas palavras: IMPUNIDADE e IMUNIDADE.

PS4 – Alem da garantia de que dará a Dona Dilma os votos imprescindíveis para ela continuar no Planalto e conquistar o Alvorada como moradia, Lula anda no bolso, com o resultado de pesquisas.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *