Mortes de no-vacinados do frustrao e tristeza, diz diretor de hospital de referncia

Covid-19: mortes de no vacinados do 'frustrao e tristeza', diz diretor  de hospital de referncia no RJ - poca Negcios | Brasil

No-vacinados correm altssimo risco, afirma o Dr. Rangel

Giulia Granchi
Da BBC News Brasil

Apenas 12,3% dos habitantes do Rio de Janeiro ainda no tomaram nenhuma dose da vacina contra covid-19, de acordo com a Secretaria de Sade Municipal e parte desse grupo so crianas que ainda aguardam sua vez de serem imunizadas. Mas, entre os internados pela doena nos hospitais da rede pblica da cidade, a realidade diferente.

De acordo com a secretaria, cerca de 90% no completaram o esquema vacinal, e aproximadamente 38% no tomaram nenhuma dose.

APS AS FESTAS – Roberto Rangel, diretor mdico do Hospital Municipal Ronaldo Gazolla, localizado no bairro de Acari, na Zona Norte, conta que j esperava por novos casos aps as festas de fim de ano, mas no que o nmero fosse to alto.

“O momento atual acaba despertando uma mistura de frustrao e tristeza por vermos vidas sendo perdidas e pacientes em estado grave que poderiam no estar nessa situao se tivessem aceitado a vacinao. angustiante para ns que estamos tratando a doena h tantos meses.”

Durante a pandemia, o Ronaldo Gazolla se tornou uma referncia no tratamento da covid-19. O hospital criou um dos maiores centros de terapia intensiva do pas, com 205 leitos, e, no total, 400 exclusivamente para o atendimento de quadros causados pelo novo coronavrus. Em fases mais crticas, a instituio chega a contar com plantes de mais de 3,2 mil profissionais de sade de diferentes especialidades.

BOAS PERSPECTIVAS – Quando a vacina finalmente chegou ao Brasil, em janeiro do ano passado, Rangel disse que imaginava que logo estaramos vivendo dias melhores, com turnos mais tranquilos pelo hospital e menos cenas tristes e dias de luto, como vinha acontecendo h tantos meses.

“Depois de muito esforo para atender milhares de pessoas, demos alta ao nosso ltimo paciente internado por covid em novembro de 2021. Foi um alvio, uma emoo e motivo de festa para toda a equipe. A, de repente, voltamos a ver tudo de novo.”

Com a alta de casos entre dezembro e janeiro, o mdico diz se sentir frustrado – especialmente porque as pessoas em pior estado so aquelas que decidiram recusar o imunizante. “Pode parecer bvio para alguns, mas a populao toda precisa entender que s a vacina pode nos salvar dessa doena.”

VACINA SALVA – Os casos mais graves, aponta Rangel, que mdico de famlia e comunidade, so de pacientes que no tomaram ao menos duas doses da vacina, e a doena costuma ser ainda pior para quem se negou totalmente a se imunizar.

“Outro fator comum entre eles o sentimento de arrependimento. Os que esto internados e no se vacinaram esto pedindo pelo imunizante, com a ideia ansiosa de que podem melhorar instantaneamente. Depois que a pessoa vivencia a doena e v o que ela pode causar, comum que mudem de ideia sobre a vacinao.”

O mdico explica que possvel saber a situao vacinal de cada paciente pela ficha que preenchem ao serem admitidos no cuidado hospitalar. “Caso a pessoa ou sua famlia no queiram informar, ainda possvel cruzar o sistema do hospital com o do Ministrio da Sade, recebendo de forma especfica somente as informaes dos que esto internados aqui.”

FALTAM EQUIPES – Com nova alta de casos, hospitais tm enfrentado dificuldade para cobrir turnos de profissionais infectados.

Entre as histrias que marcaram o mdico est a de uma famlia que no acreditava na segurana e eficcia das vacinas at receber a visita domiciliar de agentes da equipe de sade municipal. “Os profissionais conseguiram convenc-los a ir at o posto na prxima data possvel, mas infelizmente o pai da famlia foi contaminado logo na sequncia. O paciente est atualmente intubado.

“Ele at poderia ter contrado a doena, mas no estaria nessa situao to grave se tivesse recebido a vacina quando teve a oportunidade pela sua faixa etria. Os parentes expressam o sentimento de culpa, esto muito abalados, e nosso papel oferecer apoio psicolgico por meio de uma equipe especializada”, diz Rangel.

RECUSARAM A VACINA – Outro caso que o marcou foi o de um pai e seu filho que ficaram internados ao mesmo tempo no hospital. Pelas idades, a famlia toda poderia ter se vacinado, mas eles e todos os parentes prximos recusaram o imunizante.

“O filho, um homem de 35 anos com algumas comorbidades, acabou falecendo. Quando o pai acordou e j estava com a sade estvel, tivemos que dar a notcia para ele. A culpa tomou conta dele, que repetiu vrias vezes a mesma frase ‘mesmo eu no me vacinando, deveria ter feito ele se vacinar’.”

As internaes no Ronaldo Gazolla, aponta o diretor, so quase exclusivamente por covid-19. “So aproximadamente 240 pacientes, e a velocidade de contgio parece muito maior do que antes. Nesta semana, ficaremos lotados, ou prximos disso.”

RECORDES DE CASOS – O rpido aumento de casos no Brasil – que bateu na semana passada duas vezes o recorde de infeces registradas em 24 horas – e em vrios outros pases do mundo desde o final do ano passado est relacionado propagao da variante micron do novo coronavrus.

De acordo com a epidemiologista Maria Van Kerkhove, lder tcnica da Organizao Mundial da Sade para covid-19, h trs principais razes que tornam a micron to transmissvel:

– A variante desenvolveu mutaes que permitem uma aderncia mais fcil s clulas humanas;

– As pessoas podem ser reinfectadas mesmo que tenham tido a doena anteriormente ou tenham sido vacinadas;

– A replicao do vrus acontece no trato respiratrio superior (diferentemente da delta e outras variantes, que o fazem na parte inferior), facilitando a propagao.

MAIS CONTAGIOSA – Algumas estimativas da Agncia de Segurana Sanitria do Reino Unido sugerem que a micron pode ser entre duas e mais de trs vezes mais contagiosa que a delta.

“O que a gente percebe que na cidade toda, os casos esto em uma crescente, novas internaes acontecendo em todas as unidades do SUS [Sistema nico de Sade] – at por que os dados so centralizados, e vemos que a demanda por leitos est aumentando muito”, afirma Rangel.

As baixas na equipe por contaminao de covid-19 e por influenza tambm so altas no Ronaldo Gazolla. “Estamos trabalhando constantemente para trazer mais pessoas, e essas baixas so de todas as categorias de funcionrios. Nosso foco agora criar estratgias de reposio imediata, j que estamos com menos pessoas do que em qualquer outro momento da pandemia.”

6 thoughts on “Mortes de no-vacinados do frustrao e tristeza, diz diretor de hospital de referncia

  1. Infelizmente muitos vacinados tambm esto morrendo, quando se esperava que nem fossem mais pegar a doena. Na Europa j falam em mais de 60% de futuros contamidados pela MICRO. E O PAU T QUEBRANDO NO SENADO AMERICANO. E O SUPREMO DE L S SEGUE A CONSTITUIO. E T ACOCHANDO.

  2. “Rangel disse que imaginava que logo estaramos vivendo dias melhores … com a alta de casos entre dezembro e janeiro, o mdico diz se sentir frustrado”

    Mais um com aquele sentimento de “fui enganado”, que, em vez de criticar os corona-lovers e lobistas da big-pharma, pe-se a falar sobre quem se recusou a ser usado como rato de laboratrio pra no ser acusado de negacionista e perder o seu emprego. compreensvel Dr Rangel, tem muita grana envolvida e a pre$$o da impren$a gigantesca.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.