Perdidos no passado, os governos brasileiros não buscam a saída através do desenvolvimento

Invasão do Brasil por uma potência estrangeira teria impacto igual ao do programa de Paulo Guedes – blog da kikacastro

Charge do Duke (O Tempo)

Antonio Machado
Correio Braziliense

O horizonte que se avista para o país não é promissor e isso nada tem a ver com as crises fabricadas pelo bolsonarismo, como a que envolve um deputado inexpressivo do Rio, o tal Daniel Silveira, ex-PM indisciplinado, conhecido pelo despreparo e estilo miliciano.

O que for implantado nos Estados Unidos, como o pacote de gastos fiscais de US$ 1,9 trilhão já tramitando no Congresso, e outro talvez com o mesmo tamanho para reformar a infraestrutura do país, acelerar as pesquisas tecnológicas em disputa com a China e iniciar a mudança para a chamada “economia verde”, terá ampla repercussão global.

DECADÊNCIA – No Brasil, onde a indústria vem num processo de decadência desde os anos 1980 e a economia não por acaso cresce em média abaixo do PIB mundial nestes 40 anos, tais transformações, se não viermos a acompanhá-las, nos condenam a um subdesenvolvimento sinistro.

O pano de fundo das transformações lideradas por Biden nos EUA, que já são reais nos setores empresariais mais dinâmicos tanto lá quanto na China e na Europa, é a releitura da macroeconomia. Nela, o Estado não é problema, como diziam os ícones do neoliberalismo Ronald Reagan e Margareth Thatcher. O Estado é parte da solução.

NOVOS CONSERVADORES – Um dos debates mais acalorados nos EUA, com apoio do grupo que se chama de “novo conservadorismo” — facção do Partido Republicano que se opõe a Trump e à ortodoxia do livre mercado —, trata da volta da “política industrial” ao coração da estratégia de desenvolvimento. O termo é maldito para os liberais do mercado, sobretudo no Brasil, devido às distorções e aos escândalos do crédito subsidiado e dos investimentos estatais, mas começa a ser reconhecido em artigos de expoentes de Wall Street.

Afora estudos isolados, como os do economista André Lara Resende, os cânones da macroeconomia brasileira tratam de um tempo em que as emissões do Banco Central pagavam gasto corrente, inflação era mal endêmico e a crônica escassez de dólares provocava duas a três moratórias externas a cada geração. Livramo-nos destes males. Mas desaprendemos como se faz crescimento e poucos empresários, receosos das políticas públicas, aceitam correr riscos.

INDÚSTRIA VOLTA AO FOCO – Nestes 40 anos de crescimento estagnado, levando-nos a rifar o que só países ricos possuíam, uma manufatura sofisticada, inclusive com centros de pesquisa e desenvolvimento, regredimos à dependência dos setores extrativistas (agro e mineração). A indústria se tornou só montadoras, estágio inferior ao das maquiladoras do México, já que incapazes por si e pelos custos locais a sequer conseguir exportar.

Trata-se de um vício imposto pelo jugo dominante da estabilidade macroeconômica, associado a programas de ajuste fiscal, ao fim do qual crescimento e empregos voltariam. O crescimento se torna uma consequência e não parte dos programas de ajuste do setor público. Que, focados em gasto, perpetuam uma governança disfuncional e sem futuro, pois analógica num mundo digital, além de sem propósito.

É isso o que o modelo asiático de crescimento sempre evitou, dando missão às burocracias e priorizando políticas do estilo New Deal do pós-guerra, do qual Biden é entusiasta. Levou para o Salão Oval, na Casa Branca, uma foto do presidente Franklin Roosevelt, patrono das estratégias de parcerias público privadas e de bem-estar social.

RUMO PARA A POLÍTICA – Agora, pare e reflita: o que você vê e escuta vindo de Brasília e mesmo dos governos locais que tenham o progresso material e social como foco? Políticas como do Bolsa Família e do auxílio emergencial são remendos para tentar amenizar uma explosão social pela falta de empregos e de educação habilitante para a empregabilidade em massa.

Na verdade, não fosse a classificação de prestador de serviço tipo motorista de Uber e encanador como microempresário individual e os autônomos, públicos que foram alvo do auxílio emergencial pensado para os trabalhadores informais, e a taxa de desemprego, em vez de 14% da população na força de trabalho, seria da ordem de 25%.

Essa é a realidade que deve nos incomodar, fazendo o crescimento parte decisiva das estratégias fiscais, por sua vez mais voltadas para a reforma do Estado e sua gestão que para cortar e implodir. Temas assim deveriam mobilizar os parlamentares mais que a agenda sem futuro das PECs emergenciais e a retórica abjeta dos radicais.

4 thoughts on “Perdidos no passado, os governos brasileiros não buscam a saída através do desenvolvimento

  1. A irresponsabilidade coletiva que produziu uma segunda onda pandêmica, ainda mais devastadora, isso já dá uma dica de que: para sonharmos num desenvolvimento por qualquer vertente, antes temos de passar por um choque disciplinar. Incluindo leis mais duras e até rajadas de metralhadora!

  2. Lembro a ambos os humanos acima, que o país de vocês está sendo governado por Bolsonaro, homem de direita, responsável pelo caos que o povo se encontra, e incompetência em conduzir o país para o desenvolvimento.
    Leis mais duras, rajadas de metralhadoras e uma cópia do ditador chileno Pinochet, dariam mais poderes ao presidente, uma situação que colocaria o Brasil e sua população em grande perigo.
    Cró (nem pensar).

  3. Ótimo texto, o qual trata verdadeiramente do que precisamos. Enquanto esse negócio de sermos só exportadores primários perdurar, continuaremos estagnados e com essa desigualdade social. Com crescimentos pífios e aos sobressaltos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *