Quando o amor fala mais alto, o resto silncio, dizia J. G. de Arajo Jorge

TRIBUNA DA INTERNET | O poeta J. G. de Arajo Jorge trazia o corao nu, em  plena ruaPaulo Peres

Poemas & Canes

O advogado, poltico e poeta acreano Jos Guilherme de Araujo Jorge (1914-1987) ou, simplesmente, J. G. de Arajo Jorge, foi conhecido como o Poeta do Povo e da Mocidade, pela sua mensagem social e poltica e por sua obra romntica, como no poema O Resto Silncio, no qualJ.G. de Arajo Jorge mostra que, quando dois amantes esto um no outro, como se estivessem sozinhos, o resto silncio.

O RESTO SILNCIO
J.G. de Arajo Jorge

 

E ento ficamos os dois em silncio, to quietos
como dois pssaros na sombra, recolhidos
ao mesmo ninho,
como dois caminhos na noite, dois caminhos
que se juntam
num mesmo caminho

J no ouso j no coras
E o silncio to nosso, e a quietude tamanha
que qualquer palavra bateria estranha
como um viajante, altas horas

Nada h mais a dizer, depois que as prprias mos
silenciaram seus carinhos
Estamos um no outro
como se estivssemos sozinhos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.