E a perpétua manutenção em sigilo dos gastos no cartão corporativo da segunda-dama Rosemary Noronha?

Charge do Antonio Filho (Arquivo Google)

Celso Serra

Pelo que foi publicado, a “Operação Porto Seguro”, da Polícia Federal, descobriu uma quadrilha que exercia, com a maior desenvoltura, tráfico de influência na administração pública, tendo como matriz de ação o escritório “base” da Presidência da República em São Paulo, sob o comando da senhora Rosemary Noronha.

Lembremo-nos que, antes de se tornar poderosa funcionária da Presidência da República, a douta e puríssima Rosemary Noronha, ex-secretária do Sindicato dos Bancários de São Paulo, apresentada a Lula por João Vaccari, tornou-se amante do então presidente do PT desde os anos 90.

CARGO SOB MEDIDA – Quando assumiu o governo, o beato Lula criou aquele escritório na luxuosa Avenida Paulista para sediar a Chefia do Gabinete da Presidência da República em São Paulo e a nomeou Rosemary para chefiá-lo, num cargo criado exclusivamente para ela, apesar de não possuir as credenciais intelectuais mínimas para ocupar a função. Ou seja, Lula seguiu o mesmo critério de nomeação de ministros do Supremo, mas acrescentando as relações carnais.

Não podemos esquecer que a “Operação Porto Seguro” descobriu que, além do alcunha funcional de “chefe do gabinete da Presidência da República em São Paulo”, a sensual Rosemary gostava de exibir uma onipotente credencial de alcova, pois apresentava-se aos “clientes” como “namorada do Lula”.

Com isso, potencializava sua capacidade de cobrar gordos “honorários” para traficar nomeações e negócios no puríssimo governo Lula da Silva, pois nada supera uma boa relação de cama.

SIGILO ABSOLUTO – A cumplicidade entre os Poderes da República é tamanha que até hoje não se consegue transparência dos gastos feitos com cartão corporativo por Rosemary Noronha, que costuma acompanhar o então presidente Lula em suas viagens pelo mundo, com direito a frequentar os aposentos presidenciais do Aerolula, transformado em motel ambulante pelo chefe do governo.

Assim como se quer saber porque Michelle Bolsonaro recebeu R$ 89 mil do operoso assessor Fabricio Queiros, especialista em rachadinhas, queremos saber também em que gastava Rosemary Noronha o cartão corporativo gentilmente presenteado pelo latin lover de Garanhuns.

Aliás, cama é cama, como dizia o saudoso Chico Anysio.

27 thoughts on “E a perpétua manutenção em sigilo dos gastos no cartão corporativo da segunda-dama Rosemary Noronha?

  1. Pelo que sei e já foi colocado aqui na própria TI, os dados já foram liberados. Talvez o autor do texto não tenha a informação correta.

  2. Há (ou ha!…ha!…ha!,,) o caso dos 25 milhoes de euros que a diplomamata Rosemary Noronha levou a Portugal numa mala diplomatica. Segundo relato da revista Veja – se não me engano – o fato foi registrado na Alfandega de Portugal, e a grana levada em carro forte ao Banco Espirito Santo.
    Nunca mais se tocou no assunto

  3. Tudo acusações SEM nenhuma prova.
    Se houvesse apena UMA prova com certeza a Lava Jato em 5 anos de investigação teria descoberto.
    A equipe era grande e grana não faltou.
    Tiveram que inventar o Triplex e os pedalinhos do sítio…..

    • O pior é que inventaram que o nove dedos, famoso X9 do Deleg, Romeu Tuma – DOPS-SP é a pessoa mais HONESTA no mundo, se teve a cara de pau de “carregar” as bugigangas do palácio e precisou da PF recuperar os mimos quebrar os correios e outras estatais. Um filho que era limpador de bosta no ZOO de SP de uma dia para o outro tornar-se um grande empresário.

    • Excelente comentário!!!

      Enquanto Lula era implicado nas investigações por conta de uns pedalinhos, jogo de cama no nome dele e da Marisa num sítio meia boca e de um triplex oferecido pelo dono da construtora em substituição de uma unidade adquirida no mesmo prédio

      Quanto ao triplex até eu ofereceria sem cobrar nada mais, afinal, é o ex-presidente mais bem avaliado, devia ter tido bons negócios durante o período, seria uma retribuição.
      Sobre o sítio, se eu tivesse um também iria fazer questão do ex-presidente mais querido fosse aproveitar todo o final de semana e colocaria uma decoração especial e uns brinquedos.

      Agora. Já a vida dos delatores… Vimos lanchas, iates, helicópteros, mansões e coberturas de dezenas de milhões e outras dezenas de milhões em contas no exterior…

      • Prezado David,

        Pertenço a uma época bem mais antiga, onde quem calasse estaria consentindo no que se dizia.

        Ronaldo é inofensivo, isto é, uma pessoa educada, assim como Alex Cardoso.
        Petistas fanáticos, mas pessoas que gosto de discutir, debater, atazanar, assim como fazem com aqueles que discordam de Lula, como no meu caso.

        Quem dera, parceiro, que os demais sectários fossem como esses dois que mencionei, exemplos de conduta pessoal e de como se portar em um blog.

        Abração, David.
        Saúde e paz.

  4. Isso tudo é uma fábula bem contada para capturar mentes e corações.

    Se fosse verdade o atual Governo teria aberto o sigilo dos gastos para atingir o Lula.

    Por que estando no Governo Bolsonaro não nesses 2 anos completos não fez auditoria do passado ou divulgou essas contas (hein?)

  5. 1) O interessante é que a imprensa sempre tão ávida de fofocas palacianas nunca publicou foto da “Segunda Dama” como dizem. Nem tentou entrevistá-la ou descobrir seu paradeiro…

    2) Seria uma hábil lenda ou ficção?

    3) E os jornalistas/fotógrafos que cobriam as comitivas governamaentais nunca fotografaram nada?

    4) Revistas semanais e até a antiga revista Playboy descobriram e desnudaram algumas amantes dos poderes…

    5) A conferir…

  6. Meu amigo Leão,

    Há controvérsias!

    Existe um pacto de não-agressão velado entre o presidente que sucede o derrotado na eleição:
    certos episódios jamais deverão vir à tona, pelo simples fato que, depois, o seu sucessor irá expor os podres deste que foi dedo duro.

    Não vamos longe:
    Lula levou FHC às barras dos tribunais com as privatizações?
    Bolsonaro jamais usará a amante de Lula para uso político, pois tem plena consciência que poderá ser o mesmo alvo para quem lhe suceder.

    E quando existe esse acordo de “cavalheiros”, certamente os segredos são cabeludos, então a necessidade fundamental que assim permaneçam.

    Depois, a quem interessa os dotes íntimos de Rosemary, a não ser Lula?
    O escritório que ela dirigia em São Paulo como extensão do gabinete do presidente da República, desviou quanto em dinheiro?
    Trocados, se comparado ao mensalão e petrolão.

    Questões de foro íntimo não devem mesmo ser expostos como escândalos.
    Não servem para nada. Em alguns casos, o divulgador é mais criticado que o autor do episódio.

    Vá lá, quem pagou pelas farras de Lula com esta mulher fomos nós, o povo.
    Mas pagamos por todas as demais, então mais uma ou menos uma não vai fazer diferença!

    A falecida Marisa – que Deus a tenha! -, deve ter dado uns esquinaços no marido quando soube de suas estrepolias extra conjugais.

    Abraço.
    Saúde e paz.

    • Caro Bendl, bom dia!
      Mas as privatizações tiveram o aval do Congresso…
      Do ponto de vista jurídico era legal.
      Seria brigar contra todos.
      Já esse assunto da Rosemery nada há que o prenda…
      Vamos lembrar ainda que o gasto do cartão corporativo tem sido constantemente objeto de matéria jornalística no sentido comparativo de ser bem superior aos de governos anteriores.

      • Leão,

        Se o congresso aprovou as privatizações, mais existem razões para se duvidar da correção dessas operações.

        Disseste o que citei acima, mas com outras palavras:
        O problema não é a amante de Lula, de fulano ou de sicrano.
        Mas o uso de um cartão de crédito absolutamente imoral, antiético e agente de corrupção, mesmo porque sem qualquer fiscalização!!

        Não interessa se Lula gastou com a Rosemary alguns milhares de reais em motéis, e jantares regados a champanhe Dom Perignon.

        A questão é o uso que se tem dado ao cartão corporativo, hoje um assalto ao bolso do trabalhador e roubo escancarado aos cofres públicos.

        • Os sigilos dos gastos do cartão corporativo de Rosemary Noronha já foram quebrados. Discuti aqui mesmo na TI esse assunto com o caro CN que não está lembrado..

  7. Sobre esse caso, basta se acessar o processo RE 1053832 no site do STF e baixar todas as peças, que incluem cópias integrais dos processos no STJ.

    Ali se encontra, cópia do MS 20895/DF no STJ, onde se verifica, às fls. 238 a 242, que, em 5 de dezembro de 2014, Valdomiro Luis de Sousa, secretário de administração da Presidência da República, apresenta uma Nota técnica nº 17/2014 -SA/SG, onde divulgou dados da planilha com os gastos do cartão corporativo usado por Rosemary Noronha, afirmando estar atendendo à determinação judicial, mas fez uma ressalva de que estava “OCULTANDO” dados que pudessem comprometer a “segurança” da então “presidenta” da República, Dilma Roussef.

    Ou seja, ESCONDEU os dados principais, COMPROMETEDORES, o que equivale a dizer, na prática, que realmente NÃO divulgou o que deveria.

    O pedido inicial era para se divulgar tudo, mas esconderam.

    E se usou a própria então presidente Dilma como “justificativa” para se esconder os dados, sob a suposta alegação de que a divulgação integral dos dados poderia prejudicar a segurança da presidência da República.

    Então, talvez Carlos Newton possa melhorar “um pouco” a resposta a José Vidal (de modo que este consiga entender melhor) para: os dados “irregulares e comprometedores” do cartão corporativo de Rose nunca foram divulgados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *